Vitimização: Tenho certeza que você já agiu (ou age) assim

vitimizacao-pare-de-ser-a-coitadinha-dicas-relacionamento


Vitimização: Pare de ser a coitadinha!


 

Ei amiga, isso não é bom viu – aliás, é péssimo! Vamos parar?

As pessoas no geral, e principalmente as mulheres em um relacionamento (ou mesmo na vida como um todo) têm um péssimo hábito de aderir à vitimização. Será que você se enquadra nessa categoria? Tenho certeza que irá se identificar com algumas frases, ou associá-las com uma experiência. Observe:


  • Nada dá certo pra mim. Minha vida é um caos, as coisas sempre dão errado.
  • Não consigo encontrar um homem bom. Todos eles me magoam de alguma forma. Não existe homem para alguém como eu.
  • Ninguém gosta de mim. Só tem gente invejosa. Todos me odeiam e desejam o meu mal.
  • A culpa é dos homens. Se eles fossem mais sensíveis com certeza as mulheres se sentiriam mais amadas, e eu também.
  • Eu faço tudo por ele. Abro mão de tudo pra ficar com ele, e é assim que ele me trata…
  • Eu tenho o dedo podre. Não dou certo com ninguém, todos os homens me fazem sofrer sem que eu mereça isso… Não consigo entender.
  • Eu fui a mulher perfeita, estive sempre presente, fui atenciosa e carinhosa até demais, e no fim ele me troca por outra que não dá a mínima pra ele. Como ele pode fazer isso comigo?

E por aí vai… São tantos, mas tantos exemplos de vitimização, de mulher se fazendo de coitadinha, que se eu fosse citar tudo que escuto e leio, escreveria um livro.

O que me desespera é ver que muitas não se esforçam para mudar, mas se acostumam a manter o padrão da coitadinha, da abandonada, da mal amada, da mulher que se doa inteira e ninguém reconhece, da que não tem sorte… Isso acontece com você?

Chega a ser normal a atitude de ser vítima. O ego pede isso. Ser vítima atrai a atenção das pessoas, faz com que elas se compadeçam da sua situação, te defendam, deem razão, fiquem ao seu lado… Você se sente confortada e compreendida, mas não sabe o mal que está fazendo a si mesma.

Quando você assume o papel da vítima, da mulher sofredora, sem sorte, bla bla bla… Você coloca seu cérebro em um estado de pausa e repetição. Ele para de buscar soluções e continua repetindo os mesmos problemas. Pela lei da atração você atrai mais situações parecidas, e pelo seu padrão mental negativo, você não enxerga as possibilidades de mudança.

Resumindo: Fazer a coitadinha não ajuda em nada, pelo contrário, viver reclamando ou lamentando sua vida só te faz mal (e muito). Você não sairá do lugar se não mudar o modo como enxerga a vida! Essas situações ruins estarão sempre presente no seu cotidiano. Mude!


Vamos entender algumas coisas:


 

Você não conheceu todos os homens do mundo, logo, não pode afirmar que nenhum presta. Nenhum é muito abrangente, vamos dizer uma parte, ok? E digo mais: o homem que você conheceu pode até não ter prestado contigo por inúmeros motivos, mas encontrou a mulher da vida dele lá na frente, e se tornou o homem perfeito pra ela.

Se as coisas sempre dão errado na sua vida, observe se você não está alimentando um padrão mental de repetição: sempre falando dos problemas, sempre focando nisso, sempre acreditando que nada mudará, que as coisas não vão melhorar, que nunca dará certo com alguém… Você está na sintonia da coitadinha, saia dela!


Seja forte, mude suas convicções, faça seu cérebro procurar por soluções ao invés de fortalecer o que já está errado.


Se você faz tudo por uma pessoa, por favor, aprenda a fazer por gratidão, e não por um retorno. Leia novamente, eu espero. Quando você faz algo esperando um retorno, um agradecimento, um gesto, há uma imensa probabilidade de ficar decepcionada. Isso porque as pessoas não são iguais!

Primeiro, que você não deve se doar inteira para um homem, muito menos se ele não se esforça para merecer. Não deve abrir mão de si mesma para fazer as vontades do outro. Muito menos estar sempre presente sendo atenciosa. Quer destruir seu relacionamento? Então faça isso.

E por fim, devo dizer que um dia achei que meu dedo fosse podre também, e sabe o que descobri quando olhei bem de perto? Que as sujeirinhas que tinham nele, fui eu que coloquei. E que hoje ele é totalmente higiênico, limpinho e bem saudável.

Olhe para o seu dedo. Será mesmo que ele é podre ou será que você não está enxergando as sujeiras que precisa limpar? Será que está colocando no outro a culpa pelos seus erros? Será que tem uma lição que você precisa aprender, mas não aprende? Que tal limpar esse dedo?

Mude o foco. Pare de repetir o negativo e deixe que seu cérebro te traga soluções positivas (as vezes nem é tão negativo quanto você enxerga). Aprenda a olhar para a frente, ao invés de focar no retrovisor. Há muitas coisas maravilhosas te esperando na próxima curva. Experimente!

Um beijo, sua linda! :*


 

Compartilha aí com as amigas:
error: Este conteúdo é protegido!